Final de ano exige cuidado especial na gestão de frotas.

MTE suspende adicional de periculosidade para motoboys.
dezembro 19, 2014
Empresa sueca testa no Brasil o carro capaz de dirigir sozinho.
janeiro 7, 2015

 Não são só os carros dos consumidores indo e voltando das compras de final de ano que tornam o trânsito das grandes capitais ainda mais complicado no mês de dezembro: nesse período, vários setores econômicos, tais como varejo, bebidas, alimentos e até utilities, como energia elétrica, estão vivendo o pico de utilização de suas frotas.  Qualquer veículo que apresente defeito neste período prejudica muito a operação.

“Esta é a época na qual o gestor vê o retorno das manutenções preventivas feitas ao longo do ano”, destaca Ricardo Albregard, presidente da AGEV-Associação de Gestão de Despesas de Frotas.  “Porque o gerenciamento deste período começa muito antes, com sua inclusão em um planejamento anual de revisões e manutenções dos veículos e também das folgas e férias dos funcionários, para que a equipe não esteja desfalcada nesta época, sobrecarregando quem está trabalhando”, detalha.

 

Para que o aumento no número de viagens não se traduza em aumento de despesas na mesma proporção, a gestão logística é crucial.  “Os softwares de rota são a chave para obter melhor desempenho nas entregas. Quem conta com recursos de telemetria beneficia-se, nesta época, de um ajuste fino bastante eficaz para reduzir despesas”, ressalta Eleuvan Pereira e Silva, diretor da AGEV.

 

Mas o fator humano ainda é o elemento chave para equacionar o stress do final do ano.  “Além do planejamento das férias da equipe para minimizar desfalques nesse período, é importante qualificar o pessoal para saber lidar com a pressão típica desta época”,  lembra Albregard.  “O final do ano, aliás, é um dos períodos mais adequados para lançar, relançar ou revitalizar programas internos de reconhecimento do pessoal.  É muito importante motivar e também reconhecer quem respondeu melhor às características do último mês do ano”, completa.

 

Os motoristas também podem contribuir para minimizar problemas com os veículos fazendo a checagem de itens como as luzes do painel, pneus, água, óleo, etc., e reportar qualquer anormalidade à empresa.  “É mais rápido e barato consertar o veículo antes de ele ter saído para a rua”, ressalta Eleuvan.

 

Fundada em 2010, a AGEV reúne empresas que, juntas, respondem por 95% do atual mercado de gestão de frotas.  Os produtos oferecidos pelas empresas do segmento proporcionam aos clientes a gestão eficiente de despesas de veículos, por meio de dados imputados em sistemas de gestão, mediante a utilização de meios eletrônicos quando do abastecimento e manutenção em rede de postos de combustíveis, oficinas, centros automotivos, estacionamentos e outros estabelecimentos do segmento automotivo credenciados. Através das soluções oferecidas, os clientes podem gerir suas despesas veiculares, inclusive controlando o tipo de combustível consumido e o desempenho de cada veículo. Tais práticas formam ciclos virtuosos na economia, contribuindo para reduzir a emissão gases efeito estufa, poluentes atmosféricos e acidentes de trânsito, proporcionando maior controle governamental.

 

FONTE: Portal do Trânsito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *