Juristas defendem exame toxicológico para todos os motoristas.

Atendimentos do Samu triplicam após aumento de velocidade nas marginais.
maio 2, 2017
Denatran apresenta dados do exame toxicológico durante seminário no País de Gales.
junho 14, 2017

No Brasil, o custo anual com acidentes e vítimas do trânsito é de R$ 50 bilhões — R$ 137 milhões por dia. Somos o terceiro país que mais mata no trânsito no mundo — só ficamos atrás da China e da Índia, países com número de habitantes na casa do bilhão. Nas rodovias federais, 38% dos acidentes envolvem veículos pesados, apesar de representarem apenas 4% da frota nacional.

Há um ano, tornou-se obrigatória a realização do exame toxicológico para motoristas profissionais. A medida vale para a emissão e a renovação da CNH, na admissão e no desligamento dos motoristas profissionais. Esta é a primeira medida para combater o uso de drogas por condutores desde que o Código de Trânsito Brasileiro entrou em vigor, em janeiro de 1998. Um balanço dos resultados dessa implantação do teste toxicológico foi tema de um seminário realizado no Correio para discutir o uso de drogas pelos motoristas profissionais nas estradas brasileiras. 

Juristas especializados no tema defendem que o exame também se estenda para outras categorias. “Ninguém pode se transformar em instrumento de morte. O motorista profissional não pode transportar carga ou passageiros sob a influência de drogas, o que deve preponderar é a supremacia do interesse público: a proteção da vida, da saúde e da paz nas estradas brasileiras”, afirmou o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinícius Furtado Coêlho.

A constitucionalidade da realização obrigatória do exame é discutida no Supremo Tribunal Federal, que avalia como a determinação apenas para motoristas profissionais violaria o princípio da isonomia e que o exame não seria meio adequado à garantia da segurança do trânsito. A Advocacia-Geral da União (AGU), em resposta, defendeu a utilização do exame e alegou que a obrigatoriedade garante a segurança dos motoristas e dos demais usuários das rodovias. “Os profissionais devem se submeter às normas de segurança que garantam tanto a saúde física do trabalhador quanto dos demais indivíduos”, aponta o documento.

Para o doutor em direito, o exame é uma medida importante, uma vez que o uso regular de drogas provoca incapacitação permanente do indivíduo para o exercício de profissões de risco. “Quando o usuário regular não está sob o efeito das drogas está sob o efeito igualmente nocivo da síndrome de abstinência. O trânsito seguro é um direito de todos e dever dos órgãos reguladores’', comentou Furtado.

“O motorista profissional é desafiado a se submeter a extensas jornadas em busca de melhor remuneração, o que gera consequências danosas de toda ordem, para os próprios trabalhadores e para os demais usuários de rodovias, sob a forma de risco elevado e evitável de acidentes”, contou o ex-presidente da OAB.

“A determinação do exame é adequada, pois reprime a utilização de psicoativos e promove a segurança no trânsito, além de limitar o livre exercício da profissão de motorista em benefício da vida dos próprios trabalhadores e dos indivíduos que trafegam nas vias”, refletiu. Ele ainda destacou que a intimidade do profissional é garantida, pois o teste prevê a confidencialidade do resultado.
 

Legislação é branda

Mesmo com leis brandas de punição para quem causa acidentes de trânsito por estar sob efeito de drogas, o desembargador e ex-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Henrique Nelson Calandra, acredita que o judiciário tem ouvido a sociedade. “O exame toxicológico, aliado a outras tecnologias, chega em um momento em que a justiça conta com processos aos milhões”, afirmou.

Após a edição da Lei 13.103/2015, os Departamentos de Trânsito de vários estados entraram na justiça com liminares para derrubar a obrigatoriedade do exame. Porém, até o momento, a lei está válida em todo território nacional, e o  Amapá, Ceará, Espirito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina  se apresentaram em defesa da aplicação dos testes. “Em São Paulo, um desembargador se pronunciou a favor, caçando uma liminar de primeiro grau. E a OAB nacional também é favorável à  medida”.

O desembargador relatou que foi vítima de um grave acidente de trânsito durante a década de 1970. “Um ônibus entrou na contramão e atropelou várias pessoas em uma parada lotada e esmagou meu carro contra a parede. Tive cinco paradas cardíacas, mas sobrevivi”, contou emocionado.

Ele também defende a expansão do teste para outras categorias. “É uma ferramenta de controle para que pessoas não habilitadas para dirigir não tirem a vida e o patrimônio de outras”, afirmou.

Direitos

Calandra defende a nova legislação, pois o teste não vem para restringir direito ou discriminar ninguém. “No Brasil, as pessoas querem ver respeitados os seus direitos, mas ninguém quer saber de cumprir as suas obrigações”,frisou. Para ele, é por meio do caminho trilhado pela comunidade civil e pelo parlamento brasileiro que a sociedade consegue dar passos importantes para evitar os crimes no trânsito.

 

FONTE: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *