Os riscos de se dirigir na chuva

Operação inédita no Brasil quer reduzir acidentes em trechos violentos das estradas
dezembro 20, 2011
Saiba como calcular o IPVA 2012
dezembro 22, 2011

 Com a chegada do período das chuvas, as autoridades ligadas ao trânsito fazem vários alertas importantes para os motoristas sobre os riscos de se dirigir sob temporais. A condição adversa de chuva reduz a visibilidade, diminui a aderência dos pneus, principalmente em curvas, aumenta o espaço percorrido em frenagens e dificulta manobras de emergência. O início da chuva torna a pista ainda mais escorregadia, devido à mistura de água com pó e outros resíduos.

 
Quando dirigir sob chuva for inevitável, os condutores em geral devem observar os seguintes pontos:
 
– Redobrar a atenção;
– Reduzir a velocidade;
– Aumentar a distância para os demais veículos;
– Redobrar o cuidado em curvas e frenagens;
– Manter os faróis baixos acesos;
– Evitar passar sobre poças ou lugares com acúmulo de água.
 
Para condutores de automóveis e demais veículos de quatro rodas: manter as palhetas do limpador de para-brisas em bom estado e manter os vidros limpos, desengordurados e desembaçados.
 
Para motociclistas e condutores de veículos de duas ou três rodas: usar roupa apropriada, como capa ou macacão impermeável.
 
AQUAPLANAGEM
 
Durante ou após as chuvas, água acumulada sobre a pista pode provocar situações especiais de perigo: trata-se da aquaplanagem ou hidroplanagem, fenômeno pelo qual os pneus não conseguem remover a lâmina de água e, literalmente, perdem o contato com a pista.
 
A aquaplanagem ocorre pela combinação dos seguintes fatores: excesso de água na pista, velocidade demasiada, pneus com profundidade de sulco insuficiente.
 
Durante a aquaplanagem, a direção fica repentinamente leve e é muito difícil controlar o veículo. Os procedimentos corretos nesse caso são:
 
– Segurar firmemente o volante, sem virar. Rodas viradas para um dos lados podem levar ao capotamento quando a aderência voltar a existir entre os pneus e a pista.
– Tirar o pé do acelerador e diminuir a velocidade, mas não frear bruscamente, pois se as rodas estiverem travadas no momento que voltar o contato dos pneus com a pista, o carro se desgovernará.
– Estabelecer um padrão seguro de velocidade para a situação.
– Deve-se trocar os pneus sempre que a profundidade dos sulcos atingir 1,6 mm. Adiar a hora da troca é uma economia que não vale a pena.
 
Fonte: A Tribuna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *