Setor automobilístico deve crescer 5% em 2012 no Brasil

Teste aponta que veículos básicos no Brasil são inseguros
novembro 26, 2011
Comportamento do motorista causa a maioria dos acidentes
novembro 28, 2011

 O Brasil está longe de ter uma crise no setor automobilístico, de acordo com montadoras, consultores e associações que participam até esta sexta-feira (25) do Congresso Fenabrave, em São Paulo, um evento voltado a concessionários. A expectativa média do setor para o ano que vem é crescer cerca de 5% em relação ao volume de 2011, que deve ser de 3,69 milhões de unidades vendidas — também 5% a mais do que em 2010. O número inclui automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

 
“O importante é crescer em patamares menores, mas de forma sustentável”, afirma o presidente da Ford do Brasil e América do Sul, Marcos de Oliveira, que considera positiva a tendência. Segundo ele, o crescimento entre 4% e 5% é a realidade dos próximos anos. “O mercado já entrou em estagnação”, avalia o executivo, que aposta na expansão conformaea evolução do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.
 
Embora o cenário internacional traga incertezas, com estragos causados pelo tsunami no Japão, crise na Europa, conflitos no Oriente Médio e crise nos Estados Unidos, para Oliveira e para o consultor econômico e ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, as medidas do Banco Central de afrouxamento do crédito e redução dos juros deverão garantir o aquecimento do mercado.
 
Nóbrega é o mais otimista entre os palestrantes do Congresso. Segundo ele, o mercado deve crescer em 2012 entre 5% e 6%. “Os bancos investirão mais nos financiamentos, pois terão terão mais espaço em 2012. Então, haverá uma ampla concessão de crédito para a compra de automóveis”, avalia o consultor, que acredita que o Banco Central deverá continuar a reduzir a taxa básica de juros (Selic) até o patamar de 9,5%.
 
O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Sérgio Reze, ressalta ainda que não há nenhum fator econômico que possa afetar o humor do consumidor, nem mesmo o aumento do IPI sobre veículos importados a partir do dia 16 de dezembro deste ano. A entidade acredita que o mercado neste ano cresça 6% e, em 2012, entre 4,5% e 5%.
 
A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que representa as montadoras, acredita que o ano de 2011 fechará com aumento de 5% das vendas sobre 2010, com 3,69 milhões de unidades. Já as exportações em valores devem fechar com alta de 7,6%, em 540 mil unidades. Em valores, a alta prevista é de 17,8%, em US$ 15,2 bilhões. Assim, a produção ficaria em 3,420 milhões de unidades, alta de 1,1% sobre 2010.
 
GM é mais conservadora
O presidente da General Motors para a América do Sul, Jaime Ardila, acredita que 2012 será um período de transição por causa da influência da crise do mercado europeu. Assim, a GM trabalha com a perspectiva de vendas de veículos no mercado brasileiro de 3,75 milhões de unidades, aumento entre 2% e 3%. É o cenário mais pessimista.
 
No entanto, para 2013, Jaime Ardila acredita na retomada da economia mundial e, assim, a volta do mercado brasileiro para o patamar de crescimento de 5% ao ano.
 
Fonte: Auto Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *