Ônibus elétrico desenvolvido pela UFSC começa a circular em março em Florianópolis.

90% dos acidentes são causados por falhas humanas, alerta OBSERVATÓRIO.
dezembro 12, 2016
CNH ganha novo layout e mais segurança a partir de janeiro 2017
janeiro 3, 2017

A partir de março, alunos, professores e funcionários da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) terão uma opção regular de transporte sustentável para ir do campus central em Florianópolis ao Sapiens Parque, no Norte da Ilha. O ônibus elétrico alimentado por energia solar, primeiro desse tipo do país segundo os pesquisadores, está em fase de testes e será inaugurado na próxima segunda-feira. 

Além de ser totalmente elétrico, o grande diferencial é que toda a energia será gerada pela própria UFSC no Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar Fotovoltaica (Fotovoltaica), onde o projeto foi idealizado e desenvolvido. É nesta estação no Sapiens Parque que o veículo será recarregado a cada viagem, no percurso total de 50 quilômetros. A cada dia serão quatro viagens. 

— A tração elétrica é uma tendência, porém os carros elétricos representam uma nova demanda de energia. Se você tiver um carro elétrico na sua casa e plugar na tomada, a sua conta de luz vai aumentar. Essa energia tem que vir de algum lugar. Mas se você colocar no telhado de sua casa geradores solares para gerar energia resolve o problema. Essa é a expectativa do nosso projeto _ resume o coordenador do Fotovoltaica/UFSC, Ricardo Rüther. 

O ônibus que não consome combustível, é silencioso, não emite poluentes e tem outras vantagens. Com o conceito de deslocamento produtivo, a ideia é que ele seja uma espécie de extensão do escritório. Por isso, conta com tomadas, rede wifi e duas mesas de trabalho:

— É um conceito inovador que vai melhorar a qualidade de vida das pessoas, pois o tempo que estavam desperdiçando, agora podem usar para trabalhar — diz Rüther, acrescentando que cada trajeto deve levar em média meia hora, dependendo do trânsito. 

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) investiu R$ 1 milhão no projeto, e empresas Marcopolo, Eletra, Mercedes-Benz e Weg ajudaram no desenvolvimento do veículo. Apesar de ser um ônibus exclusivo para a comunidade da UFSC, a ideia é ser uma iniciativa piloto para ser replicada em outros locais:

— Seria possível fazê-lo em larga escala, o problema é que esse ônibus custa muito mais caro do que um ônibus a diesel equivalente. Mas a questão é que ele é um ônibus fora de série. À medida que você consegue diminuir custos dele, certamente terá mais adeptos — acrescenta o coordenador do projeto.

Como começa a circular regularmente em março, o planejamento inclui o desenvolvimento de um aplicativo para que alunos reservem vagas e façam uma espécie de check-in, como nos voos, para as viagens diárias. O transporte será gratuito.  

Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Fonte: Diário Catarinense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *